Babywearing ou carrinho? Como devemos passear o nosso bebé.

07 outubro, 2017


Olá Mojos!

Decisions, decisions é o que penso todos os dias quando acordo com um bebé ao lado. Hoje será um bom dia para passear? Quanto tempo? E onde vamos? Vai ter muita gente? Vai ter ar condicionado no máximo? Levo o pano ou o carrinho? Ou levo os dois porque nunca se sabe se há calçada esburacada e escadas íngremes? Como transportar o bebé em passeio é, sem dúvida, uma das decisões mais importantes neste dia-a-dia com um ser tão pequenino que precisa do máximo de conforto.

Sempre achei piada às mães que carregam os bebés ao colo. Eles parecem muito aconchegados e as mães muito desenvoltas com as duas mãos livres para qualquer eventualidade, mas sou tão desastrada que não conseguiria arriscar embrulhar o miúdo num pano, com voltas e nós sem saber se ele estava bem arrumado. Comprei então um carrinho muito bonito, com uma alcofa levezinha e fácil de montar para ter a certeza que conseguia sozinha e rapidamente acomodar a criança em cada passeio. Não desisti porém de tentar saber mais sobre babywearing, palavra que significa muito mais que a sua tradução literal e pode ser doce e simplesmente traduzida pelo ato de vestirmo-nos com o nosso bebé ❤️ Juntei-me ao grupo de facebook Babywearing Portugal para depressa perceber que existem vários maneiras de babywearing: o pano normal, o elástico, o Mei-Tai, o marsúpio, a mochila ergonómica. Percebi também que a escolha de cada um deles era meramente pessoal não sendo necessariamente nenhum dos acessórios melhor que qualquer outro. Tudo depende do conforto da mãe e do bebé, coisa que eu só podia descobrir pela experiência. Foi assim que cheguei à Anita. A Anita é consultura de babywearing e veio cá a casa ensinar-me a carregar o Eusébio. Explicou-me como usar cada um dos panos e eu percebi que me sentia mais à vontade com o pano semi-elástico: são poucos os nós que damos e a elasticidade simplifica o processo. O Bebé fica bem coladinho e, mais importante que tudo, é dos panos mais baratos - gastei 25€ e mandei vir da Slingocoisas.  Quando o Eusébio for mais pesado, este pano já não será tão adequado, nem para o conforto dele nem para as minhas costas mas aí, já decidi, vou mudar para uma mochila ergonómica. Quanto ao carrinho, continuo a usá-lo e vejo nele inúmeras vantagens.

Vantagens do Carrinho:

  • Quando saímos para almoçar ou jantar fora. Com o pano não conseguimos chegar tão bem ao prato e corremos o risco de deixar cair a sopa em cima da cabeça do bebé.
  • Quando vamos às compras e precisamos de andar a experimentar roupa.
  • Tanto o pai como a mãe podem passear o bebé à vez, sem haver necessidade de um ataque de ciúmes. Com o pano ficamos um bocadinho mais egoístas.
  • No início pode ser mais fácil de montar que um pano.
  • Quando é preciso amamentar é mais rápido tirá-lo do carro e voltar a pô-lo.
  • O bebé pode dormir descansado na posição horizontal.

Vantagens do Babywearing:

  • O bebé chora menos quando está a ser carregado. Segundo a ciência, o babywearing reduz em 43% o choro do bebé. Posso assegurar que é verdade!
  • O bebé sente-se mais seguro quando está junto à mãe a sentir o seu calor e a ouvir as batidas cardíacas. Estes estímulos facilitam o aumento de peso e tornam o babywearing numa opção de passeio super saudável para o bebé.
  • Mãos-livres! Yei! Porque agarrar no telemóvel, comer um gelado e carregar um bebé tudo ao mesmo tempo, é possível.
  • Bebés que só dormem ao colo, se dormirem dentro de um pano permitem à mãe ou ao pai continuar  fazer as suas tarefas.
  • Com o bebé no pano não há problemas com degraus, estradas esburacas e ruas estreitas ;)

Consigo perceber as inúmeras vantagens do babywearing mas não acho que deva ser radical e deitar fora o carrinho. É preciso é termos consciência de como e quando usar cada uma das opções. Carrinho ou babywearing, o importante é andar sempre com os nossos bebés para todo o lado, com esse miminho sabemos que estamos a criar filhos - e pais - felizes, saudáveis e confiantes.