O Eusébio vai andar de avião. OH-MAI-GOD

26 maio, 2018


Vai acontecer e ando num misto de ansiedade com felicidade tola de quem vai fazer algo de espetacular. Eu lembro-me da primeira vez que andei de avião, ainda sem medo algum, porque aos 11 anos a imortalidade é uma certeza e, não sendo, morte é coisa para velho e não para crianças que andam de avião. Se eu pensava assim? Talvez. O Eusébio não se vai lembrar da sua primeira viagem de avião nem dos nove dias de passeio pelos Açores. Mas tenho a certeza que vai recordar-se através das fotografias e das memórias que vamos fazer questão de lhe transmitir e isso vale tudo e valerá sempre. Eu quero que ele viva esta experiência à maneira dele, como bebé de 9 meses que é. Quero essencialmente que estas primeiras experiências dela sejam vividas através de mim e do pai porque, isso sim, é o mais importante e chama-se educação. Maaaaas, esta viagem exige mais planeamento e dedicação por causa dele. Depois de trocar ideias com quem já o fez e de ler outras tantas, organizei esta lista de dicas que considero importantes na hora de viajar de avião com um baby.

  1. Escolher os melhores lugares: A viagem será curta (2h15) e o Eusébio vai ao colo - como vão normalmente todos os bebés até aos dois anos. Ter um bom lugar faz ainda mais diferença neste caso. Espaço para as pernas que só as primeiras filas oferecem e ficar junto ao corredor para poder correr caso ele comece a berrar ou para as mais frequentes idas à casa-de-banho. Lugares marcados com antecedência, CHECK  
  2. A melhor hora para viajar: Marcámos as viagens todas (voos internos incluídos) com a perspetiva de viajar de noite. Assim há maior probabilidade de o bebé ir a dormir e não sentir os possíveis desconforto de uma viagem de avião.
  3. Reduzir a pressão: Mamar, mamar, mamar. Se ele já está habituado a mamar-para-dormir, mamar-para-dormir-no-avião não me parece de todo difícil. Especialmente na descolagem e na aterragem, fazer com que o bebé movimente os músculos da cara vai ajudá-lo a não sentir aquela pressão terrível nos ouvidos. Para os que não mamam, biberão, chucha, ou qualquer coisa para comer, também serve! Antes da viagem vamos ter a consulta dos nove meses e certificar-nos junto do médico que os ouvidos do baby estão em condições.
  4. Como entreter o bebé durante o voo: Espero que ele durma o voo inteiro maaaas pode não acontecer. Brinquedos pequenos podem ser uma boa opção porque ocupam pouco espaço e são o suficiente para animar um bebé durante longos minutos. Já ponderei descarregar a “Casa do Mickey” para o Iphone, mas ainda estou muito reticente em prendê-lo assim a um ecrã. Devo?
  5. Snacks para todos os gostos: Claro que o leite de maminha será o snack salvador em qualquer instante mas também vou levar boiões de fruta. O Eusébio adora todas as frutas que já provou até agora - banana, pêra, maçã, manga, meloa, melancia, abacate…e já experimentámos os potes da Holle, que são biológicos e vendem-se no celeiro. As bolachas da Holle também já foram aprovadas pelo palato do pequeno Eusébio. Além disso, é possível pedir aos assistentes de bordo para colocar no frigorífico tudo o que seja necessário.
  6. Malas e malinhas: A viagem é daqui a cinco dias mas já comecei hoje a dividir tudo. Levamos a bolsa dos brinquedos, a malinha da comida, a das fraldas e a da roupa. Como são tantas coisas ( vulgo mini-merdas) é preciso ser inteligente e prático na hora de fazer a mala.No caso dos bebés levar mais do que o estritamente necessário só para salvaguardar imprevistos parece-me boa ideia.
  7. Preocupação com os restantes passageiros: Sempre que se ouve a frase, “bebés a chorar em aviões”, alguém revira os olhos. Todos já sofremos disto. Esperando que não aconteça mas consciente dessa possibilidade estou preparada para sorrir e conversar com os passageiros irritados. Se os pais se mantiverem calmos, talvez essa energia passe para os restantes. Estou a sonhar muito alto?
  8. Os líquidos no controlo de segurança: o drama e o horror em cada viagem. Vou sempre para o aeroporto em cima da hora e sempre a contar não ter que abrir a mala de cabine mas neste caso viver no limite pode ser um problema. Leite, água, qualquer líquido que seja transportado nos biberões e termos do bebé, por norma, podem passar sem constrangimento de maior. Outras há em que pedem aos pais para provar o conteúdo e assim terem a certeza que está tudo ok. De qualquer das formas, a logística de passar com um bebé no controlo de segurança exige tempo e ir em cima da hora para o aeroporto não será nunca uma opção.
  9. O carrinho de bebé: fiquei muito aliviada quando soube que o carrinho seria despachado gratuitamente com a bagagem. É essa a regra em todas as companhias, low-cost incluídas. Podemos levar o bebé no carrinho até ao embarque, aí entregamo-lo a um assistente de bordo que,  após a aterragem, o devolverá. Já a pensar na viagem, escolhemos um carrinho incrível da Quinny, o Yezz, que não pesa mais de 5kg, tem pequenas rodas de skate e dobra-se todo para o podermos levar ao ombro. 

 

Estou bastante tranquila com esta viagem e acho que o facto de levar o Eusébio me vai manter mais atenta a ele e menos a questões de turbulência. Estou a aceitar dicas para como ter uma boa experiência pelos Açores na companhia do bebé. Ainda não disse, mas somos seis adultos e dois bebés de meses, e passearemos durante nove dias por quatro ilhas. Acompanhem tudo no meu Instagram e sigam o #Eusebiomeetsazores, prometo construir memórias desta experiência e, quem sabe, inspirar-vos :)